QUAL A MELHOR AERONAVE PARA INSTRUÇÃO PRIMÁRIA

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

TEXTO: DIA DO AVIADOR - LARISSA BERNARDO

DIA DO AVIADOR

Quem me dera eu trabalhar em Hollywood, poder ser uma patricinha fútil e não ter nem metade dos problemas que tenho...
MENTIRA!!!!
Sabe, sempre fui impulso! Pra escrever também…
Parabenizar hoje os Aviadores por sua bela profissão, pela paixão e belos céus que vemos com frequência já é corriqueiro! Lindo mesmo é conseguir enxergar de maneira mais intrínseca o porque de tanto amor, de tanta paixão! Saibam e entendam, ser Aviador não é só uma questão de ocupação! 
São tantos amigos, tanta família, tantos lugares, tantas pessoas novas indo e vindo...
Cada dia que passa me convenço que somos seres mutantes! Claro que todo ser humano é, mas nós, é algo fora do comum!
Aprendemos a tirar proveito de tudo, transformamos as decepções em aprendizados, detalhes em prioridade e a engolir cada minuto de cansaço sabendo que apenas incorporar um personagem qualquer e adquirir fôlego não bastariam. 
Aprendemos a lidar com o tempo! Tempo, horas, dias, chaves de voos! Assim como foram "poucos" dias. Dias simples, curtos, dias que pareciam durar menos de 10 horas as vezes. E eu imploraria por mais, eu me estenderia se não fossem as responsabilidades da vida real me podando e exigindo que eu voltasse para casa! Duvidas disso? Então experimente subir a 30.000 ft e olhar o mundo lá de cima! Com a nossa perspectiva! A perspectiva de quem voa! Corto todos meus dedos se me disseres que não consegues perceber, que tens um mundo só pela frente, e que ele é tão pequeno diante de tudo que sentimos, e vemos, e vivemos! Como a Terra é pequenininha e como é grande a nossa ignorância! O tempo é relativo, assim como todas outras coisas, assim como o espaço.
A gente percebe a diferença na nossa história em relação a tudo que existe quando conseguimos assumir que esse sentimento faz parte! O sentimento de estar lá, e as vezes não querer voltar, porque é bom demais! E não se culpe por isso! Eu também sinto, assumo e entendo... Poucos entendem! Duvido que sofres por saudade quando você está lá em cima!
Saudade é fácil resolver! Abra a minha mala! Além de calcinhas e uma peça sobressalente do uniforme, eu carrego comigo uma caixa magica, onde eu guardo todos meus tesouros mais bonitos! Tudo aquilo que eu aprendi com a vida, tudo o que eu ganhei com o tempo, e vento nenhum leva! Guardo as memorias que me trazem risos, as pessoas que tocaram a minha alma e que de alguma forma me fazem bem! Guardo nela também a minha infância toda tingida de “canetas de avião” como eu e Livia costumávamos falar! Agora você entende quando ouve a expressão “Morar na mala” ?? Por isso me sinto tao perto! Nao é a toa que o senhor da van e a Swissport sempre reclamam do peso ao colocar a minha bagagem no porão.
Pra gente, não importa como anda o coração, a cabeça, o espirito! Nosso serviço é transportar, com segurança! E quando a gente senta a bundona ali naquela poltrona! Nada mais importa! Ali é confortável, e parece o remédio pra todos os males! Quem canta os males espanta?? Judiação... Não sabes de nada! Experimente voar...
Saiba de vez que não simplesmente operamos maquinas, mas somos capazes de realizar sonhos, minimizar a saudade e o medo de alguns, e talvez confortar a dor de outros! 
E diante de tudo que vivo e vejo,  hoje, consigo dizer com segurança de quem mudou tudo para estar aqui! Não hesite em concluir os teus desejos mais absurdos. Mesmo que sejam eles envolvendo uma bicicleta e uma volta ao mundo. 
Eu consegui asas e ainda completarei a minha volta ao mundo!
E caso alguém retruque, podes avisar que eu mesma disse que a loucura alada combinava contigo!



Sobre a autora: Larissa Bernardo é co-piloto de Embraer 190/195 e uma grande amiga. Uma verdadeira Aviadora, além de um ser humano incrível amada por todos!

Deixo aqui as minhas felicitações a todos os aviadores e desejo bons voos sempre!

Bruno Maciel

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Desligamento da função de Inspac-Anac do Cel Av. Ricardo Beltran Crespo

Prezados,

Venho por meio desta mensagem relatar os desagradáveis fatos que me levaram a solicitar minha exclusão definitiva do quadro de Inspetores de Aviação Civil da ANAC na data de hoje:

Sou INSPAC OPS-3 91/135 desde 2011 e certamente efetuei mais de 500 voos de cheque nesses cerca de 5 anos em atividade, prestando esse serviço voluntário para a ANAC. Para aqueles que não conhecem o sistema, a Força Aérea disponibiliza oficiais aviadores para cumprir missões de avaliação de perícia técnica dos pilotos civis no Brasil. Trata-se de um trabalho extra, voluntário, no qual não existe nenhum pagamento adicional por parte da ANAC aos checadores militares, exceto os ressarcimentos dos custos de hospedagem, passagem aérea e alimentação, quando os voos de cheque são executados em locais fora da sede de residência do checador.
Todos aqueles que tem conhecimento da dinâmica dos voos de cheque sabem que é completamente viável a execução de uma avaliação de TIPO+IFRH no período de 0.9 de hora de voo.
Diante das restrições de espaço aéreo e a falta de áreas de treinamento na área de SP, é praticamente de praxe serem realizadas missões com mais de um piloto, visando a otimização do uso dos helicópteros, nas quais faz-se a decolagem de SBMT (Marte) para SBSJ, onde se gasta cerca de 18 a 20 minutos no deslocamento, nos quais o checador já avalia algumas manobras e exigências da ANAC na FAP, e onde o tempo restante é utilizado em SBSJ para o complemento da avaliação, tanto no TIPO (manobras de solo e tráfego), quanto no IFRH (subida e descida). Dessa forma, é completamente viável o cumprimento do que é exigido na FAP para um cheque TIPO+IFRH dentro do período de 54 minutos de voo.

No final do mês de agosto, avaliei 3 comandantes (voos de re-cheque), cumprindo 3 segmentos de 54 minutos de voo, com 10 pousos cada um, os quais foram avaliados e checados em todos os exercícios previstos na FAP, conforme registros no Diário de Bordo do helicóptero utilizado.

Para minha surpresa, a ANAC indeferiu os três processos dos três pilotos, após alegações de coisas absurdas do Sr DÁRIO ALEXANDRE TAVARES TAUFNER (Especialista em Regulação de Aviação Civil) - Gerente de Certificação de Pessoal) GCEP / SPO Fone: 0800 725 4445 / E-mail:dario.taufner@anac.gov.br, como por exemplo:

1) Segundo o Sr DÁRIO A. T. TAUFNER (ANAC),  manobras e emergências são INCOMPATÍVEIS com o voo no período noturno. (não existe nenhum documento da ANAC proibindo os voos de cheque no período noturno). Será que um helicóptero bi-turbina, homologado IFR, não pode ser usado no período noturno para a verificação de proficiência técnica dos pilotos?
2) Segundo o Sr DÁRIO A. T. TAUFNER (ANAC), o tempo de voo foi insuficiente para a execução de todas as manobras previstas. (não existe nenhum documento da ANAC onde se define, nem tempo de voo para a execução das manobras, muito menos um tempo mínimo para a execução de cada tipo de cheque). Fui acusado de realizar 07 cheques em 54 minutos (o Diário de Bordo comprovou que foram 03 voos de 54 minutos e que o piloto que deslocou o helicóptero de SBMT para SBSJ não foi o mesmo que deslocou de SBSJ para SBMT)
3) Segundo o Sr DÁRIO A. T. TAUFNER (ANAC), mesmo depois que comprovei que foram 3 voos de 54 minutos, o gerente insistiu que os 54 minutos de cada piloto não foram suficientes para a avaliação das manobras.

Depois de contestar e contra-argumentar cada alegação e questionento do Gerente de Licenças e Habilitações da ANAC, houve a confirmação do indeferimento dos três processos, e orientação para que os 3 pilotos executassem NOVAMENTE os voos de cheque.

Para para minha maior surpresa, hoje pela manhã recebi um email do Supervisor da Escala da ANAC, informando minha “suspensão temporária” para a execução de Exames de proficiência, por ordem do Sr Gerente de Licenças e Habilitações.

Diante de tamanho desrespeito e insinuações maldosas sobre minha idoneidade para avaliar os pilotos, por parte de um funcionário público da ANAC, que aparentemente leva para o lado pessoal um assunto técnico, e que resolve determinar minha suspensão como Checador,  após esgotar todas as tentativas de mostrar ao funcionário, que nem sequer aviador aparentemente é, sobre os seus erros de julgamento e interpretação na avaliação do meu desempenho como checador nesse caso específico, minha única alternativa moral e de dignidade foi solicitar minha exclusão definitiva do quadro de Inspetores Militares  da ANAC.

Compartilho com todos que estejam sujeitos a enfrentarem uma situação tão desagradável como essa, a fim de os alertarem sobre o fato de que existem funcionários na ANAC, sem o conhecimento técnico adequado e que, infelizmente, possuem o poder de indeferir um processo, causando prejuízos financeiros aos proprietários de helicópteros (a hora de voo de um AGUSTA passa de 8 mil reais), nos quais seus pilotos estão expostos ao risco de terem seus processos indeferidos, caso não cumpram alguma “regra” mal definida  ou “achismo” daqueles que analisam os respectivos processos de concessão ou revalidação de suas CHT, independente da vasta experiência que possuem como comandantes de suas aeronaves.
Peço desculpas a todos aqueles com quem assumi o compromisso de efetuar os cheques e informo que a ANAC cancelou todas as minhas autorizações de cheques.

Cel Av Ricardo Beltran Crespo

quarta-feira, 23 de julho de 2014

TEXTO - ANAC: ALÉM DE NÃO AJUDAR, COMPLICA - BRUNO MACIEL

Caros amigos e leitores, há tempos que eu não escrevo nada no blog, mas dessa vez resolvi desabafar e espero sinceramente que esse post chegue aos outros canais como Piloto Brasil, Para Ser Piloto, Canal Piloto, Contato Radar, além é claro das redes sociais e pra isso peço a ajuda de todos que concordem comigo.
Mas o fato é que alguém precisa fazer alguma coisa com (ou contra) a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC)!
Tenho certeza que todos já tiveram problemas com análises de processos para concessões licenças/habilitações ou revalidações de habilitações. Os processos demoram meses em análises. O meu, ao checar o PC-MNTE-VFR em 2012 passei três meses esperando e após concluído e enviado a casa da moeda, recebi em casa 3 CHT's, uma por dia. Muitos são indeferidos erroneamente, por má interpretação por parte dos analistas de processos, enquanto outros casos são aprovados sem os mínimos exigidos. Todos sabem que os processos são analisados por amostragem. 
Os regulamentos (RBHA,  RBAC, IAC, IS, etc) não são claros, os manuais (especialmente dos cursos) estão defasados e somos fiscalizados por servidores públicos, na grande maioria das vezes, sem conhecimento algum em aviação.
E as vistorias realizadas em escolas e aeroclubes... Temos notícias de escolas e clubes que não podem liberar voos solo de quem não estiver em treinamento. Por exemplo, se você já é Piloto Comercial checado, não pode pagar 1h de voo pra voar solo. Exigem que as escolas e clubes sigam os manuais de curso. Pra se ter uma idéia, o manual do curso de Piloto Comercial foi elaborado em 1992 e divide o treinamento e 4 etapas. A primeira tem 4 fases, na primeira fase (Adaptação) o aluno precisa fazer 8h duplo comando. Isso mesmo, 8h duplo comando. Sendo 2h noturno, também duplo comando. O manual na verdade é contrário ao RBAC 61. Ou seja, se você segue o manual entra em "não conformidade" com o RBAC e vice-versa. Além disso é inviável para as escolas e para os alunos seguir o programa do manual de curso de PC.
Conheço escolas que enviaram os ofícios de atualização do corpo técnico-pedagógico, o famoso Anexo 2, a mais de 4 meses e até hoje não receberam resposta. Enquanto isso os Instrutores ficam impedidos de ministrar instrução e aí os INVAs antigos vão saindo, principalmente pra Azul, que é a única que está contratando por enquanto, e o quadro de invas nas escolas vai ficando cada vez mais deficiente.
Também conheço escolas teóricas de norte a sul do país que ficaram mais de um ano aguardando a vistoria inicial ou de re-homologação de cursos.
Tem tanta coisa errada que eu já me perdi no texto.
Se compararmos com as Agências Reguladoras de outros países veremos que estamos anos-luz atrás.
Mas até quando ficaremos nessa situação? Por que na minha cabeça funciona assim: se eu sou um passageiro e tenho alguma queixa contra alguma companhia aérea, eu recorro a ANAC. E se eu sou piloto, aluno, aeroclube ou escola e tenho alguma coisa contra a ANAC, a quem eu devo recorrer?
Não sei se estou correto, mas aguardo os comentários e a divulgação do texto para que possamos pelo menos debater o assunto.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

NOTÍCIAS - AVIÃO DA MALAYSIA AIRLINES COM 298 PESSOAS CAI NA UCRÂNIA

Um avião de passageiros da Malaysia Airlines com 298 pessoas caiu nesta quinta-feira (17) na Ucrânia, na região de fronteira com a Rússia. Segundo o governo ucraniano, todos a bordo morreram.
O Ministério do Interior ucraniano atribuiu a queda da aeronave, um Boeing 777, a "um míssil disparado do solo". No final da tarde (no horário de Brasília), agentes de serviços de inteligência dos Estados Unidos também afirmaram que o avião foi derrubado.
O primeiro-ministro do país, Arseni Yatseniuk, ordenou uma imediata investigação do que chamou de "catástrofe". A Malásia também informou que abriu uma investigação sobre o acidente. O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou: "Isso não foi um 'incidente'. Isso não foi uma 'catástrofe'. Isso foi um ato terrorista."

O avião estava voando normalmente, sem problemas, até desaparecer do radar, afirmou Dmytro Babeychuk, chefe do órgão responsável pelo espaço aéreo da Ucrânia. "O voo estava ocorrendo normalmente... Não houve nenhuma palavra sobre qualquer problema da tripulação", disse.

Em comunicado, a Iata (sigla em inglês para Associação Internacional de Transporte Aéreo)  confirmou que o avião estava voando em espaço aéreo comercial e aberto.  "Com base na informação disponível no momento, acredita-se que o avião atravessava espaço aéreo que não era sujeito a restrições de segurança."

O avião levava 283 passageiros, além de 15 tripulantes. A lista dos passageiros ainda não foi divulgada. Cidadãos dos Estados Unidos, Holanda e Alemanha estão entre as vítimas.

Trajeto e resgate dos corpos
O voo MH17 ia de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia, e voava a 10 mil metros quando caiu. O voo teria duração de 11h55 minutos e percorreria uma distância de 10,2 mil quilômetros.

A Malaysia Airlines perdeu contato com a aeronave às 11h15 (horário de Brasília), e que sua última posição foi registrada no espaço aéreo ucraniano, a 30 km de Tamak.

Oficiais de defesa da Ucrânia disseram que o trabalho na região de Donetsk, onde o avião caiu, é difícil em razão dos destroços espalhados por áreas extensas. As buscas também são dificultadas pela presença de terroristas armados na região. O governo russo entrou em contato com a Ucrânia oferecendo ajuda nas investigações e também no resgate das vítimas.
"Estou chocado por relatos de que um avião da MH caiu. Estamos lançando uma investigação imediata", disse o premiê da Malásia, Najib Razak, em sua conta no Twitter.  

O ministro da Justiça e Defesa holandês, Ivo Opstelten, disse em comunicado que está "profundamente chocado" com o acidente, confirmando que havia muitos cidadãos do país no voo. "Meus pensamentos estão com as famílias e amigos daqueles que estavam no avião", escreveu.
Opstelten destacou que o governo holandês criará um número de emergência para que as famílias das vítimas possam buscar informações.

Ucrânia, Rússia e rebeldes negam ter abatido avião
Em declarações dadas logo após a confirmação da queda do MH17, autoridades dos governos russo e ucraniano, além do representante da República Autoproclamada de Donetsk, negaram ter abatido o avião.

Rebeldes separatistas da região leste da Ucrânia, onde o avião caiu, negaram qualquer envolvimento. "Nós simplesmente não temos esse sistema de defesa aérea", de acordo com a agência Interfax. No entanto, o especialista em segurança internacional Gunther Rudzit afirma que mísseis terra-ar, guiados por calor e fornecidos pela Rússia aos rebeldes, seriam capazes de abater um avião comercial.

"Os rebeldes já vinham alardeando que teriam derrubado dois caças da Ucrânia. Um avião de transporte e helicópteros também teriam sido derrubados", diz Rudzit. Por causa desses indícios, ele acredita que o alvo do míssil não teria sido o avião de passageiros, e sim um avião militar.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, também negou que o Exército do país tenha participação e chamou a queda do avião de "ato terrorista". "Nós não descartamos que esse avião tenha sido derrubado e reforçamos que as Forças Armadas da Ucrânia não agiram contra alvos aéreos".

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, afirmou que é "estupidez" acusar o país de envolvimento no acidente com o MH17. A suspeita havia sido levantada logo após o acidente pelo ministro das Relações Exteriores de Kiev, Pavlo Klimkin.

Rebeldes já abateram aviões na região
Separatistas pró-Rússia do leste da Ucrâniajá derrubaram ao menos dez aeronaves na região onde um Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu. A região é palco de conflitos entre o Exército ucraniano e os rebeldes há meses, desde que o ex-presidente do país Viktor Yanukovich foi deposto em fevereiro deste ano.

As aeronaves derrubadas pelos rebeldes, que usaram lança mísseis portáteis, voavam a baixa altitude, diferente do avião da Malaysian, que estava a 10 mil metros de altura. A lista inclui helicópteros militares, aviões de transporte do Exército e caças da força aérea.

FONTE: UOL