QUAL A MELHOR AERONAVE PARA INSTRUÇÃO PRIMÁRIA

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

SANTOS DUMONT - DE PRÓPRIO PUNHO


Encontrei esse site excelente que fala sobre a vida e obra de Alberto Santos Dumont, que dispensa apresentações. Espero que gostem! Para acessar basta clicar em Santos Dumont, de próprio punho

domingo, 20 de novembro de 2011

ENTREVISTA - LARISSA BERNARDO


Amigos do Papo de Hangar, como eu havia dito antes, esse mês entrevistei a Larissa Bernardo que tem 25 anos e atua como Co-piloto de Embraer 190/195 em uma grande companhia aérea brasileira. Larissa tem ensino superior completo, fez o Piloto Privado no Aeroclube de Atibaia, o Piloto Comercial entre o Aeroclube de Campinas e o de Bragança, e antes de ingressar na linha aérea, fez o INVA também no Aeroclube de Campinas. Larissa faz parte de uma família de aviadores, talvez por isso seja um “anjo”. Uma amiga querida por todos que a rodeiam e certamente uma profissional aplicada e muito competente no que escolheu fazer pra o resto da vida. Deixo aqui o meu agradecimento a minha grande amiga Larissa por ter disponibilizado uma parte do seu tempo para responder essas perguntas e espero que todos vocês apreciem a entrevista e quem sabe alguns possam estimular ainda mais a vontade de alçar voos cada vez mais altos.

1. De onde surgiu a idéia de ser Piloto de Avião? Sua família, teve alguma influência?

Sim, com certeza! Nasci respirando aviação, meus pais e meus tios voam! Meu pai é Piloto, minha mãe Comissária de Bordo e com isso minha irmã e eu acabamos seguido os mesmos passos, assim como meus primos! Quando crescemos neste meio no qual a rotina é não ter uma rotina constante, e gostamos disso, fica difícil adaptar-se a outros meios! Já esta no DNA! Foi natural, por opção e amor mesmo...

  1. Quais são as principais dificuldades que você encontrou desde que decidiu iniciar o curso de piloto privado, até os dias de hoje?

Graças a Deus não tive grandes dificuldades! Mas a ansiedade de todas as fases é complicada de lidar! Primeiro o exame medico, depois as provas teóricas, os checks práticos, a prova de inglês, a entrevista de emprego nas companhias, o treinamento no simulador, o treinamento em rota, o check em rota! O saber se vai dar certo ou não é complicado! Parece que de cada um destes momentos depende a nossa vida! Que aquela é nossa única oportunidade e você quer fazer seu melhor com perfeição! Entender e aceitar que nunca saberei tudo, lidar com a auto-cobrança e saber que errar faz parte do processo é complicado!

  1. Você sente algum tipo de preconceito por partes dos passageiros, ao verem você na cabine?

Preconceito Nao!! Acho que ja foi o tempo! Mas surpresa sim! Sempre ouço “Foi voce quem veio “dirigindo”? é gostoso!

  1. Como você vê o cenário atual da aviação civil no Brasil, especialmente para as mulheres?

Na realidade, não consigo diferenciar muito o mercado para mulheres e para homens nos dias de hoje, principalmente na linha aérea! O mercado esta borbulhando de oportunidades, independente do sexo! Hoje ainda vemos poucas mulheres pilotando porque o interesse e a procura nesta área por parte delas é menor! Simplesmente por isso! Mas as oportunidades estão ai, para quem quiser agarra-las!

  1. Você já passou por alguma situação que te fez pensar em desistir de voar?

Não, jamais! Já senti receios e claro alguns medos ao presenciar acidentes e incidentes de perto, mas desistir jamais! Faz parte do meio e da vida estas situações! Na aviação, infelizmente aprendemos com os erros e acertos dos nossos colegas, e nós, pilotos, não temos tempo para lamentações!

  1. O que você acha sobre esse “aquecimento” nas contratações de pilotos por parte das companhias aéreas?

Ao meu ver a aviação é cíclica! Existem muitos altos e baixos e as coisas acontecem da noite para o dia conforme o mercado econômico mundial gira! Quem esta se formando agora, deve aproveitar as oportunidades da melhor forma, pois mesmo torcendo e acreditando que ainda existam muitos campos para que a aviação continue desenvolvendo e gerando novos empregos, pode ser que não perdure por muito tempo! Tudo depende, é bem complexo! O Brasil é muito grande, tem muito potencial e a aviação, principalmente a regional, ainda tem muito para crescer!

  1. Hoje em dia percebemos que temos muito mais pessoas interessadas em fazer o curso de piloto. A que você atribui esse fato?

Eu acredito que deve-se ao fato de que no momento, o mercado esta superaquecido, os empregos e as oportunidades estão surgindo! Ha pouco tempo atrás o mercado encontrava-se fechado, e as oportunidades eram mais raras! Hoje, é diferente! Isso atrai os olhares daqueles que veem de fora a situação e acabam procurando se profissionalizar! Porem, o caminho é longo, exige muita paciência e disciplina, então vejo que muitos procuram, mas poucos finalizam o curso! Existe uma seleção natural...

  1. Quais os conselhos que você dá as mulheres que pretendem seguir a carreira de Piloto de Avião?

A pergunta que mais ouço das meninas é a respeito de preconceito, e minha resposta é sempre a mesma! Tudo depende da maneira como encaramos as situações e a maneira como nos comportamos diante delas! Não leve para o lado pessoal tudo que ouvem, muitas vezes o preconceito, parte de nos mesmos! Não se cobre apenas pelo fato de ser mulher, saiba que tem que se cobrar para se tornar uma boa piloto, faça seu voo buscando a excelência e a padronização, que todos resultados serão consequência disto!

  1. Deixe uma frase para todos aqueles que estão pretendendo iniciar essa tão brilhante carreira e que com certeza encontrarão muitos desafios pela frente:

“Para chegar onde queremos, temos todo um caminho a percorrer! A jornada é tudo! Persista e faça da melhor forma que puder, respeitando as regras e regulamentos de segurança de voo! Ética, disciplina e dedicação são essenciais! Humildade é fundamental! Nunca pense que já sabe o suficiente!”


Bom pessoal, é isso aí. Espero que tenham gostado!

Abraço a todos e bons voos sempre!!!


Bruno Maciel.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

NOTÍCIAS - EX-VEREADOR SE JOGOU DO AVIÃO DURANTE PROBLEMAS NA HORA DO POUSO

A aeronave que enfrentou problemas no momento do pouso e resultou na morte de um dos passageiros na noite de segunda-feira (14), na região sudoeste da Bahia, passará por avaliação técnica, segundo informações do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica (Cenipa), regional Recife (PE). O acidente aconteceu na cidade de Condeúba, a cerca de 650 Km de Salvador.
“Faremos uma ação inicial, buscando informações básicas para dar prosseguimento às investigações técnicas. Queremos saber os fatores que contribuíram. O resultado será usado para a criação de recomendações de segurança a todos os envolvidos na atividade de voo”, afirmou o investigador da Aeronáutica em Recife, José Roberto Mendes. Segundo ele, os proprietários foram orientados a não interferir na cena do acidente para que os técnicos possam encontrar a situação preservada. As equipes responsáveis pelo trabalho devem sair do Recife ainda durante a manhã.
O ex-vereador do município Agnaldo José Pereira, de 44 anos, se desesperou com o pouso forçado e se jogou da aeronave, sendo atingido pela estrutura do próprio avião. Ele morreu na hora. O ex-político viajava junto com o irmão piloto e um primo, que não sofreram ferimentos. Por volta das 21h, quando a aeronave se aproximava da pista particular da família, dentro de uma fazenda, ocorreu o acidente, cujas causas serão investigadas. A área foi isolada e a aeronave permanece no local na manhã desta terça-feira. A fuselagem do avião sofreu pequenas avarias.
O corpo do ex-vereador foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Vitória da Conquista, a cerca de 150 Km de Condeúba. Segundo informações de familiares, o corpo será velado na Câmara Municipal e encaminhado para o povoado de Alegre, a cerca de 40 Km, onde ele nasceu. Agnaldo assumiu dois mandatos, de 2000 a 2008 e tinha três filhos.
Segundo familiares, a pista de pouso foi construída há cerca de dois anos e meio e é coberta de cascalho (não é asfaltada). O local fica um pouco afastado da zona urbana de Condeúba. Na delegacia da cidade, ninguém prestou depoimento sobre o acidente. Segundo agentes da unidade policial, os familiares envolvidos não têm condições emocionais de prestar esclarecimentos.
FONTE: PORTAL G1

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

VIDEO - WE ARE EMBRAER (SOMOS A EMBRAER)

VIDEO - CMTE HERNANI DIPPOLITO VOANDO STEARMAN

AGUARDEM!!!

Olá amigos, buenas...
Após um tempo sem postagens, o Papo de Hangar está voltando com toda força. E para celebrar esse retorno, estamos preparando uma entrevista com pilotos de companhias aéreas brasileiras, que irão falar um pouco sobre as suas trajetórias, as dificuldades, o mercado de trabalho e as promessas para o futuro da aviação civil no Brasil.
E para começar, entrevistei a Larissa Bernardo, Co-piloto de Embraer 190/195 e uma pessoa muito querida por todos. Ainda esse mês estará disponível para vocês a entrevista na íntegra.

Abraço a todos e bons voos sempre!!!

Bruno Maciel.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

NOTÍCIAS - PRIMEIRO AEROPORTO FEDERAL É CONCEDIDO À INICIATIVA PRIVADA


São Paulo, 22 de agosto de 2011. O consórcio Inframérica é o vencedor do leilão de concessão para construção parcial, manutenção e exploração do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante (ASGA), localizado em São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte (RN). O Leilão nº 01/2011, realizado hoje, 22/08, pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) na BM&FBOVESPA, concedeu o primeiro aeroporto federal à iniciativa privada pelo lance de R$ 170 milhões.

Quatro consórcios participaram do leilão, ATP-Contratec, Inframérica, Aeroportos Brasil e a Aeroleste Potiguar, que durou aproximadamente 50 minutos (de 10h02 as 10h51) e começou com o lance mínimo de R$ 51,7 milhões fechando em R$ 170 milhões pelo consórcio Inframérica. Ao total, 88 lances foram dados no viva voz e o ágio fechou à 228,82%.
O consórcio Inframérica é constituído pela empresa Argentina Corporación América e pelo Grupo Engevix, no qual é controlado pela Jackson Empreendimentos e composto por mais quatro empresas.

O grupo vencedor terá até três anos para construir os terminais e um prazo de mais 25 anos para exploração. O contrato de concessão poderá ser renovado por, no máximo, mais cinco anos, quando o aeroporto retornará ao poder público. A estimativa da ANAC é de que o consórcio vencedor invista R$ 650 milhões na construção dos terminais e na operação do aeroporto.

O Aeroporto de São Gonçalo do Amarante substituirá o atual Aeroporto Internacional Augusto Severo de Natal (RN) e poderá ficar pronto para a Copa de 2014. A previsão de movimento no terminal é de que alcance 3 milhões de passageiros, em 2014; 4,7 milhões, em 2020; e 7,9 milhões, em 2030.

Fonte: Anac

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

NOTÍCIAS - AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA, EM CURITIBA TERÁ HORÁRIO REDUZIDO


Pistas serão recapeadas das 14h de sábado às 12h de domingo e nas madrugadas dos dias úteis; 90 mil passageiros serão afetados
Nataly Costa - O Estado de S. Paulo
CURITIBA - O Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, vai fechar durante as madrugadas dos dias úteis e em grande parte do fim de semana para obras nas pistas de pouso e decolagem, a partir do próximo mês. Segundo as empresas aéreas, a medida afeta pelo menos 90 mil passageiros com bilhetes já comprados e implica cancelamento de mais de 170 voos por semana.
A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) vai interditar totalmente as pistas entre 23h30 e 6h de segunda a quinta-feira e das 14h do sábado às 12h do domingo. Assim, as obras de recapeamento e iluminação vão levar nove meses, a partir de 12 de setembro. Nos feriados, Natal e ano-novo, as reformas serão suspensas.
Por meio do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea), as companhias enviaram um ofício à Infraero na sexta-feira, pedindo a revisão dos horários da obra, de 48h semanais para 44h. Propõem que as intervenções sejam feitas de domingo a sexta-feira das 0h às 6h e das 21h do sábado às 8h do domingo. Assim, a obra demoraria 30 dias a mais.
A proposta partiu das empresas que operam no aeroporto: TAM, Gol, Avianca, Azul, Trip, Passaredo, NHT e Webjet. No mesmo ofício, o Snea pede também que a Infraero reveja os horários das obras do aeroporto de Londrina, ainda sem cronograma definido, mas que também terá interdição total.
O Snea aguarda uma resposta da Infraero - ao Estado, a estatal afirmou que pretende manter os horários da interdição.
Os passageiros do Afonso Pena - que fica na região metropolitana de Curitiba, em São José dos Pinhais - não têm alternativa na cidade: o aeroporto de Bacacheri, também da Infraero, a 7 km do centro, só recebe aviões de pequeno porte. Atualmente, o aeroporto internacional opera apenas com uma pista - a auxiliar já está fechada. A proposta inicial do Snea para a Infraero era reformá-la e deixá-la pronta para uso, para só então começar as obras da principal.
INTERNACIONAIS - Apesar de enfrentar resistência das empresas locais, a reforma afeta também os passageiros em conexão para voos internacionais. "Imagina quem vai pegar um voo noturno para a Europa em São Paulo, no sábado. Tem de sair de Curitiba de manhã e passar o dia inteiro em Cumbica, esperando", observa o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) do Paraná, Celso Tesser. "O mesmo vale para quem chega de voos internacionais no sábado pela manhã, em São Paulo ou no Rio. Se não tiver conexão para Curitiba antes das 14h, essa pessoa só volta para casa no outro dia.

Fonte:
O Estadão

NOVIDADE NO MOTOR DO AVIÃO


terça-feira, 9 de agosto de 2011

NOTÍCIAS - FAB EMITE NOTA OFICIAL SOBRE REPORTAGEM EXIBIDA NO FANTÁSTICO EM 07/08/2011


O Comando da Aeronáutica repudia veementemente o teor da reportagem do jornalista Valmir Salaro, levada ao ar no Fantástico deste domingo, sete de agosto, e no Bom Dia Brasil desta segunda-feira, oito de agosto.

A matéria em questão parte de princípios incorretos e de denúncias infundadas para passar à população brasileira a falsa impressão de que voar no Brasil não é seguro. A reportagem contradiz os princípios editoriais da própria Rede Globo ao apresentar argumentos com falta de Correção e falta de Isenção, itens considerados pela própria emissora como sendo atributos da informação de qualidade.

O jornalista embarcou em uma aeronave de pequeno porte (aviação geral), que tem características como nível de voo, rota, classificação e regras de controle aéreo diferentes dos voos comerciais. A matéria trata os voos sob condições visuais e instrumentos como se obedecessem as mesmas regras de controle de tráfego aéreo, levando o espectador a uma percepção errada.

O piloto demonstra espanto ao avistar outras aeronaves sobre o Rio de Janeiro e São Paulo, dando um tom sensacionalista a uma situação perfeitamente normal e controlada que ocorre sobre qualquer grande cidade do mundo. Nesse sentido, causa estranheza que a reportagem tenha mostrado a proximidade dos aviões como algo perigoso para os passageiros no Brasil. As próprias imagens revelam níveis de voo diferenciados, além de rotas distintas.

Além disto, o piloto que opta por regras de voo visual, só terá seu voo autorizado se estiver em condições de observar as demais aeronaves em sua rota, de acordo com as regras de tráfego aéreo que deveriam ser de seu pleno conhecimento. Mesmo assim, o piloto receberá, ainda, avisos sobre outros voos em áreas próximas.

Foi exatamente o que ocorreu durante a reportagem, que mostra o contato constante dos controladores de tráfego aéreo com o piloto. Desde a decolagem foram passadas informações detalhadas sobre os demais tráfegos aéreos na região, sem que houvesse qualquer perigo para as aeronaves envolvidas.

A respeito da dificuldade demonstrada em conseguir contato com o serviço meteorológico, é interessante lembrar que há várias frequências disponíveis para contato com o Serviço de Informações Meteorológicas para Aeronaves em Voo (VOLMET), que está disponível 24 horas por dia em todo o país. Além destas, há frequências de ATIS (Serviço Automático de Informação em Terminal) que fornecem continuamente, por meio de mensagem gravada e constantemente atualizada, entre outros dados, as condições meteorológicas reinantes em determinada Área Terminal, bem como em seus aeroportos. Como, aliás, é o caso da Terminal de Belo Horizonte, incluindo os aeroportos da Pampulha e de Confins.

Ressalte-se que, a despeito da operação de tais serviços, todos os pilotos têm a obrigação de obter informações meteorológicas antes do voo pessoalmente nas Salas de Informações Aeronáuticas dos aeroportos, por telefone ou até pela internet.

Ao realizar o voo sem, possivelmente, ter acessado previamente informações meteorológicas, o piloto expôs a equipe de reportagem a uma situação de risco desnecessário. Tratou-se, obviamente, de mais um traço sensacionalista e sem conteúdo informativo.

A respeito do momento da reportagem em que o controle do espaço aéreo diz que não tem visualização da aeronave, cabe esclarecer que o voo realizado pela equipe do Fantástico ocorreu à baixa altitude, em regras de voos visuais, uma situação diferente dos voos comerciais regulares.

Na faixa de altitude utilizada por aeronaves como das empresas TAM e GOL, extensamente mostradas durante a reportagem, há cobertura radar sobre todo o território brasileiro. Para isso, existem hoje 170 radares de controle do espaço aéreo no país. Como dito acima, é feita uma confusão entre perfis de voos completamente diferentes. Dessa forma, o telespectador do Fantástico ficou privado de ter acesso a informações que certamente contribuem para a melhor apresentação dos fatos.

No último trecho de voo da reportagem, o órgão de controle determinou a espera para pouso no Aeroporto Santos-Dumont. O que foi retratado na matéria como algo absurdo, na realidade seguiu rigorosamente as normas em vigor para garantir a segurança e fluidez do tráfego aéreo. Os voos de linhas regulares, na maioria das vezes regidos por regras de voo por instrumentos, gozam de precedência sobre os não regulares, visando a minimizar quaisquer problemas de fluxo que possam afetar a grande massa de usuários.

A reportagem também errou ao mostrar que Traffic Collision Avoidance System (TCAS) é acionado somente em caso de acidente iminente. O fato do TCAS emitir um aviso não significa uma quase-colisão, e sim que uma aeronave invadiu a “bolha de segurança” de outra. Essa bolha é uma área que mede 8 km na horizontal (raio) e 300 metros na vertical (raio).

Cabe ressaltar ainda que a invasão da bolha de segurança não significa sequer uma rota de colisão, pois as aeronaves podem estar em rumos paralelos ou divergentes, ou ainda com separação de altitude, em ambiente tridimensional.

A situação pode ser corrigida pelo controle do espaço aéreo ou por sistemas de segurança instalados nos aviões, como o TCAS. Nem toda ocorrência, portanto, consiste em risco à operação. O TCAS, por exemplo, pode emitir avisos indesejados, pois o equipamento lê as trajetórias das aeronaves, mas não tem conhecimento das restrições impostas pelo controlador.

Todas as ocorrências, no entanto, dão início a uma investigação para apurar os seus fatores contribuintes e geram recomendações de segurança para todos os envolvidos, sejam controladores, pessoal técnico ou tripulantes. É esse o caso dos 24 relatórios citados na reportagem. A existência desses documentos não significa a ocorrência de 24 incidentes de tráfego aéreo, e sim uma consequência direta da cultura operacional de registrar todas as situações diferentes da normalidade com foco na busca da segurança.

A investigação tem como objetivo manter um elevado nível de atenção e melhorar os procedimentos de tráfego aéreo no Brasil, pois é política do Comando da Aeronáutica buscar ao máximo a segurança de todos os passageiros e tripulantes que voam sobre o país. Incidentes e acidentes não são aceitáveis em nenhum número, em qualquer escala.

Sobre a questão dos controladores de tráfego aéreo, ao contrário da informação veiculada, o Brasil tem atualmente mais de 4.100 controladores em atividade, entre civis e militares. No total, são mais de 6.900 profissionais envolvidos diretamente no tráfego aéreo, entre controladores e especialistas em comunicação, operação de estações, meteorologia e informações aeronáuticas.

Para garantir a segurança do controle do espaço aéreo no futuro, o Comando da Aeronáutica investe na formação de controladores de tráfego aéreo. A Escola de Especialistas de Aeronáutica forma anualmente 300 profissionais da área. Todos seguem depois para o Centro de Simulação do Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), inaugurado em 2007 em São José dos Campos (SP). Com sistemas de última geração e tecnologia 100% nacional, o ICEA ampliou de 160 para 512 controladores-alunos por ano, triplicando a capacidade de formação e reciclagem.

Vale salientar que a ascensão operacional dos profissionais de controle de tráfego aéreo ocorre por meio de um conselho do qual fazem parte, dentre outros, os supervisores mais experientes de cada órgão de controle de tráfego aéreo. Desse modo, nenhum controlador de tráfego aéreo exerce atividades para as quais não esteja plenamente capacitado.

A qualidade desses profissionais se comprova por meio de relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA). De acordo com o Panorama Estatístico da Aviação Civil Brasileira, dos 26 tipos de fatores contribuintes para ocorrência de acidentes no país entre 2000 e 2009, o controle de tráfego aéreo ocupa a 24° posição, com 0,9%. O documento está disponível no link:
http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/Anexos/article/19/PANORAMA_2000_2009.pdf

A capacitação dos recursos humanos faz parte dos investimentos feitos pelo DECEA ao longo da década. Entre 2000 e 2010, foram R$ 3,3 bilhões, sendo R$ 1,5 bilhão somente a partir de 2008. O montante também envolve compra de equipamentos e a adoção do Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional (SAGITÁRIO), um novo software nacional que representou um salto tecnológico na interface dos controladores de tráfego aéreo com as estações de trabalho. O sistema tem novas funcionalidades que permitem uma melhor consciência situacional por parte dos controladores. Sua interface é mais intuitiva, facilitando o trabalho de seus usuários.

Os resultados desses investimentos foram demonstrados pela auditoria realizada em 2009 pela International Civil Aviation Organization (ICAO), organização máxima da aviação civil, ligada às Nações Unidas, com 190 países signatários. A ICAO classificou o Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro entre os cinco melhores no mundo. De acordo com a ICAO, o Brasil atingiu 95% de conformidade em procedimentos operacionais e de segurança.

Sem citar quaisquer dessas informações, para realizar sua reportagem, a equipe do Fantástico exibe depoimentos sem ao menos pesquisar qual a motivação dessas fontes. O Sr. Edileuzo Cavalcante, por exemplo, apresentado como um importante dirigente de uma associação de controladores, é acusado por atentado contra a segurança do transporte aéreo, motim e incitação à indisciplina, e responde por essas acusações na Justiça Militar.

O Sr. Edileuzo Cavalcante foi afastado da função de controlador de tráfego aéreo em 2007 e recentemente excluído das fileiras da Força Aérea Brasileira. Em 2010, também teve uma candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral.

Quanto à informação sobre as tentativas de chamada por parte do controlador de tráfego aéreo, Sargento Lucivando Tibúrcio de Alencar, no caso do acidente ocorrido com a aeronave da Gol (PR-GTD) e a aeronave da empresa Excel Aire (N600XL) em 29 de setembro de 2006, cabe reforçar que elas não obtiveram sucesso devido à aeronave da Excel Aire não ter sido instruída oportunamente a trocar de frequência e não a qualquer deficiência no equipamento, conforme verificado em voo de inspeção. Durante as tentativas de contato, a última frequência que havia sido atribuída à aeronave estava fora de alcance, impossibilitando o estabelecimento das comunicações bilaterais.

Já quando foi consultar o Departamento de Controle do Espaço Aéreo, a equipe de reportagem omitiu o fato que trataria de problemas de tráfego aéreo. Foi informado que se tratava unicamente sobre a evolução do tráfego aéreo de 2006 a 2011.

Por fim, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica ressalta que voar no país é seguro, que as ferramentas de prevenção do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro estão em perfeito funcionamento e que todas as ações implementadas seguem em concordância com o volume de tráfego aéreo e com as normas internacionais de segurança. No entanto, este Centro reitera que a questão da segurança do tráfego aéreo no país exige um tratamento responsável, sem emoção e desvinculado de interesses particulares, pessoais ou políticos.

Brasília, 9 de agosto de 2011.
Brigadeiro-do-Ar Marcelo Kanitz Damasceno
Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica
Fonte: CECOMSAER

quarta-feira, 13 de julho de 2011

NOAR DIVULGA NOTA OFICIAL À IMPRENSA

COMUNICADO À IMPRENSA

Comunicado


É com pesar que a Noar Linhas Aéreas comunica oficialmente a queda de sua aeronave modelo LET 410 com prefixo PR-NOB às 06h52 minutos dessa quarta-feira, dia 13 de julho, logo após decolar do Aeroporto Internacional do Recife (PE). O avião transportava 14 passageiros e 02 tripulantes e fazia a rota Recife – Mossoró (RN), com escala em Natal (RN). Infelizmente não houve sobreviventes.

Nesse primeiro momento, a prioridade da companhia aérea é prestar todo o atendimento necessário aos familiares das vítimas. É isso o que está sendo feito com disponibilidade de transporte, hospedagem e acompanhamento de equipe multidisciplinar (psicólogos, médicos, assistentes sociais, etc).

O Comando da Aeronáutica, a ANAC e a autoridade policial já estão conduzindo as investigações pertinentes sobre o acidente. A empresa informa que as habilitações técnicas e os certificados de capacitação física dos pilotos estavam regulares.

Informamos ainda que todos os voos de hoje foram suspensos e os passageiros com voos marcados para o dia de hoje estão sendo remanejados para outras companhias aéreas.

Fonte: Noar Linhas Aéreas

LET410 DA NOAR CAI EM UM TERRENO BALDIO NO RECIFE.


O avião da Noar Linhas Aéreas, que caiu na manhã desta quarta-feira em Recife, matando pelo menos 16 pessoas, já havia apresentado problemas antes. O piloto Roberto Gonçalves, que morreu no acidente, havia dito ao irmão dele, o também piloto Jairo Gonçalves, que a aeronave apresentava perda de força na decolagem e havia atribuído o problema a um defeito do modelo LET-410. Ele havia dito ainda que um grupo de técnicos já havia vindo do exterior para verificar o problema. A aeronave é fabricada pela Let Aircraft, da República Tcheca, e a Noar opera com apenas dois aviões deste modelo.

- Pelo visto, o problema não foi solucionado - disse Jairo, acrescentando que não acredita em falha humana e que o irmão era "muito experiente e evitou uma tragédia" ao se afastar de uma área residencial e tentar um pouso forçado em um terreno baldio.

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) informou que o avião estava com a manutenção em dia.

Segundo informações da Aeronáutica, a aeronave decolou às 6h51m do aeroporto de Recife com destino a Mossoró, com escala em Natal, e caiu às 6h55m perto praia de Boa Viagem. O Comando da Aeronáutica, em nota, informou que o avião decolou e logo em seguida, o piloto informou à Torre de Controle estar em situação de emergência e que tentaria pousar na praia de Boa Viagem.

A queda ocorreu em um terreno baldio, entre Recife e Jaboatão dos Guararapes. O piloto teria buscado o terreno baldio para o pouso forçado, mas não conseguiu evitar a queda.

Logo depois de tocar o solo, o avião explodiu. Todos os ocupantes morreram carbonizados.


Segundo o Comando da Aeronáutica, o piloto do avião informou no plano de voo a existência de 16 pessoas a bordo e a informação foi ratificada pela tripulação quando em contato inicial com a torre de controle, antes da decolagem. O avião tem capacidade para até 19 pessoas, segundo a Noar.

A assessoria da Noar Linhas Aéreas ainda não divulgou a lista dos ocupantes do avião, entre tripulantes e passageiros, e não confirmou o número de pessoas a bordo.

A empresa afirmou apenas que mantém uma equipe no aeroporto Internacional Augusto Severo para prestar assistência aos familiares das vítimas.

A área onde o avião caiu foi isolada e os bombeiros trabalham no resgate dos corpos. Peritos também estão no local em busca de informações que possam explicar o que motivou a queda.

Todos os voos da companhia aérea nesta quarta-feira foram cancelados, segundo informação de atendentes da própria empresa. A Infraero informa que a decisão de paralisar as atividades não foi dela, como inicialmente informado.

A Aeronáutica iniciou as investigações para apurar as causas da queda.


Noar completou 1º ano de operação em junho


A Noar Linhas Aéreas completou um ano de atuação em junho e atua em cinco estados do Nordeste, com voos para Recife, Maceió, Aracaju, João Pessoa, Natal e Mossoró. A companhia opera voos diários entre Recife e Maceió e pelo menos três voos por dia na rota Recife/Natal/Mossoró.

O objetivo da empresa é atender principalmente executivos em trânsito entre essas cidades. Em setembro passado, a empresa anunciou parceria com a Gol, na qual os passageiros podem comprar uma passagem no trecho Rio de Janeiro-Mossoró, voando em aviões da Gol e da Noar com apenas um check-in e despachando a bagagem até o destino final. A Noar é uma empresa privada e suas operações foram iniciadas com investimento de R$ 40 milhões. A companhia fazia uma média de 280 voos semanais.


O LET-410 é uma aeronave de fabricação tcheca com capacidade para até 19 passageiros. O avião tem uma envergadura de 19,9 metros, com 14 metros de comprimento e uma altura de 5,8 metros. Em sua página na internet, a Noar informa que o avião pode voar mais baixo, em "voos praticamente panorâmicos".

Em 2006, um acidente com um avião do mesmo modelo, da companhia Team, deixou 19 pessoas mortas no Rio de Janeiro. O avião havia saído de Macaé com destino a capital carioca. Em fevereiro deste ano, um LET- 410 caiu perto da capital de Honduras, Tegucigalpa, matando os dois pilotos e 12 passageiros que estavam a bordo.


Fonte: O Globo

domingo, 10 de julho de 2011

EMBRAER COMEÇA A FABRICAR O PHENOM 100 NOS EUA


A Embraer informou nesta quarta-feira, 6 de julho de 2011, que a unidade da Embraer Executive Jets em Melbourne, Flórida (EUA), recebeu no dia 10 de junho a fuselagem e as asas do primeiro jato Phenom 100 que será montado nos Estados Unidos. Segundo a empresa, a chegada da fuselagem do jato da categoria chamada “entry level” confirma que a Embraer continua cumprindo o cronograma para produzir e entregar a primeira aeronave do tipo até o final deste ano.

Ernest Edwards, Vice-Presidente da Embraer para o Mercado de Aviação Executiva, afirmou que “a chegada das peças à nova instalação de montagem do Phenom 100, com 7.400 metros quadrados, foi um momento muito importante para nossos empregados em Melbourne. Este é um marco que reitera nosso comprometimento em relação à nossa presença no mercado norte-americano e aos nossos clientes em todo o mundo. Tal fato também comprova o sucesso deste produto inovador e esperamos em breve iniciar as entregas dos primeiros aviões fabricados nos EUA.”

A Embraer ainda informou que o Phenom 100 foi o jato mais entregue do mundo em 2010, reforçando ainda mais o crescimento da participação de mercado da Embraer no mercado de jatos executivos.

Sobre o aproveitamento da mão de obra local, que sofreu um forte impacto com o encerramento do programa do Ônibus Espacial dos EUA (Space Shuttle), Phil Krull, Diretor-Geral da Embraer Executive Jets, disse: “Temos hoje 69 engenheiros qualificados e outros técnicos de aviação – alguns ex-empregados da NASA – trabalhando na linha de montagem do Phenom 100 nesta unidade no condado de Brevard. Esperamos ter um total de 200 empregados contratados até o final de 2012, com o crescimento da produção.”

Em dezembro de 2008, a Embraer iniciou em Melbourne a primeira fase do projeto de construção, consistindo num hangar e num prédio administrativo, realizando um investimento de 50 milhões de dólares (aproximadamente 78 milhões de reais). Em fevereiro deste ano, o prédio e o hangar foram inaugurados.

As obras do Centro de Clientes incorporando um showroom, e que faz parte da segunda fase do projeto de construção, já estão em andamento, com previsão de entrega para o final de outubro. O showroom permitirá que os clientes visualizem as várias opções de acabamento dos jatos.

Fonte: Poder Aéreo

Gol compra Webjet por R$ 96 milhões


A Gol anunciou nesta sexta-feira a aquisição de 100% do capital social da companhia aérea de tarifas econômicas Webjet, por R$ 96 milhões, sujeito a ajustes. Embora a companhia tenha sido avaliada em R$ 310,7 milhões durante as negociações, o valor final do negócio foi reduzido em razão das dívidas da empresa, estimadas em cerca de R$ 215 milhões.

Fundada em 2001, Gol transporta mais de 28 milhões por anoCom Webjet, Gol se aproxima da liderança do mercado aéreoNúmero de passageiros da Webjet cresceu 95 vezes desde 2005

Bovespa fecha em queda de 1,12%; ações da Gol sobem 3,5%

A compra será feita por meio da Varig Linhas Aéreas, empresa controlada pela Gol.

Fundada há dez anos, a Gol opera 900 voos diários para 51 destinos domésticos e 11 destinos internacionais. Já a Webjet possui uma frota de 24 aeronaves Boeing 737-300 (148 assentos), e rotas para 16 cidades nacionais, realizando mais de mil voos por semana.

Em fevereiro deste ano, a Gol chegou a superar a TAM na liderança do mercado doméstico de avião comercial, com uma participação em torno de 40%, três anos após a aquisição da Nova Varig por US$ 320 milhões. No mês seguinte, porém, a TAM voltou a assumir a liderança.

Os últimos dados divulgados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), referentes ao mês de maio, apontam que a TAM tinha 44,43% do mercado interno, contra 35,39% da concorrente. A Webjet, no mesmo mês, tinha participação de 5,16%.

De acordo com comunicado na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a aquisição "está sujeita, entre outras condições, à realização de auditoria técnica e legal nas atividades e ativos da Webjet, à negociação e celebração dos documentos definitivos pelas partes e às aprovações das autoridades governamentais pertinentes".

A Gol informou que manterá seus acionistas e o mercado informados da evolução nas negociações. Haverá uma teleconferência sobre a compra na segunda-feira, às 13h.

No primeiro trimestre, a empresa registrou um lucro líquido de R$ 110,5 milhões e uma receita líquida de R$ 1,89 bilhão, com um total de 8,6 milhões de passageiros transportados nesse período.

A operação de hoje ocorre depois que a TAM anunciou a fusão com a chilena LAN, no segundo semestre do ano passado --a operação, porém, ainda deve passar pelo crivo do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), do Ministério da Justiça, nos próximos três meses.

MERCADO AQUECIDO

O negócio é anunciado num cenário de aquecimento da demanda doméstica. Segundo a Anac, a procura por voos teve um aumento de 28,67% em maio, em comparação com o mesmo mês do ano passado. Em relação à oferta, o crescimento foi de 15,34%.

A demanda nos voos internacionais operados por empresas brasileiras, por sua vez, cresceu 21,55% em relação a maio do ano passado.

O número de passageiros que passam anualmente pelos 67 aeroportos administrados pela Infraero aumentou em 87% na última década.

Para este ano, a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, da USP) projeta um crescimento de 25% na demanda de passageiros, dependendo de fatores econômicos, após um crescimento de 20% no ano passado de 15% na média dos sete anos anteriores.

RISCOS E VANTAGENS

Sem mais detalhes sobre a compra da Webjet, analistas de mercado já destacavam as boas perspectivas, uma vez que a aquisição deve resultar no aumento do total de "slots" (direitos de pouso e decolagem nos principais aeroportos do país) da Gol.

O valor da operação também ficou abaixo de algumas projeções que circulavam pelo mercado. Alguns chegaram a apontar um valor acima dos R$ 300 milhões.

Especialistas, no entanto, chamam a atenção para uma possível demora no julgamento dessa operação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), o que poderia atrapalhar os ganhos com sinergias.

Leia a íntegra do comunicado:

"São Paulo, 08 de julho de 2011 - A GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. (BM&FBovespa: GOLL4 e NYSE: GOL), (S&P/Fitch: BB-/BB-, Moody`s: Ba3) ("Companhia"), a maior companhia aérea de baixo custo e baixa tarifa da América Latina, em atendimento às disposições da Instrução CVM n.° 358/2002 ("ICVM 358"), comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que nesta data:

_(i) a VRG Linhas Aéreas S.A. ("VRG"), sociedade controlada pela Companhia, celebrou com os acionistas controladores da Webjet Linhas Aéreas S.A. ("WebJet") memorando de entendimentos que tem por objetivo a aquisição de 100% do capital social da WebJet pela VRG;_

_(ii) a aquisição está sujeita, entre outras condições, à realização de auditoria técnica e legal nas atividades e ativos da WebJet, à negociação e celebração dos documentos definitivos pelas partes e às aprovações das autoridades governamentais pertinentes;_

(iii) o preço a ser pago para a referida aquisição será de R$96.000.000,00 sujeito a ajustes até a data em que a operaçao for concluída. A Webjet foi avaliada pelas Partes (ie. Enterprise Value) em R$310.700.000,00 (trezentos e dez milhões e setecentos mil reais).

A Companhia manterá seus acionistas e o mercado informado acerca da evolução do assunto objeto deste Fato Relevante. A Companhia comunica que será feita uma teleconferência com uma apresentação, sobre este fato relevante."

Fonte: Folha.com

quinta-feira, 7 de julho de 2011

NOTÍCIAS - INVESTIGAÇÃO SOBRE QUEDA DE AVIÕES DA FAB DEVE TERMINAR EM 30 DIAS


A Aeronáutica deve concluir em 30 dias a investigação sobre o acidente envolvendo dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) ocorrido nesta quarta-feira (6) em Pirassununga, no interior de São Paulo. Os quatro ocupantes das duas aeronaves morreram.
Cada aeronave levava um piloto e um instrutor. Segundo a FAB, as aeronaves faziam um treinamento de pilotos da Academia da Força Aérea (AFA). As duas aeronaves são modelos T-25 Universal, usados pela Aeronáutica na instrução avançada de cadetes.
O acidente ocorreu logo após os T-25 decolarem para voo de treinamento para uma apresentação prevista para ser realizada em uma formatura na próxima sexta-feira (8) na AFA. As aeronaves teriam colidido quando estavam lado a lado, ainda se agrupando para a simulação.
Os aviões caíram em um canavial que fica em uma fazenda. Eles estavam a cerca de 200 metros do chão quando ocorreu a queda. Outros dois aviões participavam do treinamento - os pilotos já prestaram depoimento.
Os corpos das vítimas – os capitães Tibério César Corvello Vitola e Alex Araújo Affonso Rego e os tenentes André Luiz Franchi Grigoletto e Jamil Nazif Rasul Neto – já foram resgatados. Eles estavam na Academia da Força Aérea nesta manhã, onde será realizado o velório.
Todos os oficiais tinham mais de mil horas de voo de experiência cada e estavam acostumados com o treinamento – eles faziam pelo menos dois voos como o ocorrido nesta quarta por dia.
Apenas André Luiz Franchi Grigoletto era de Pirassununga e será enterrado na cidade ainda nesta quinta-feira. Tibério César Corvello Vitola era do Rio Grande do Sul, e as outras duas vítimas, do Rio de Janeiro.
Fonte: Portal G1

quinta-feira, 21 de abril de 2011

SENECA CAI APÓS A DECOLAGEM EM MANAUS E 7 MORREM

Prezados amigos aviadores, ontem infelizmente um Seneca da empresa de táxi aéreo Amazonaves caiu após a decolagem do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus. Todos os sete ocupantes da aeronave faleceram, incluindo o proprietário da empresa, Antonio Picão, sua esposa e filho.
E é com grande tristeza que o Papo de Hangar publica essa postagem a seguir, contendo informações coletadas de alguns dos principais portais de notícias do Brasil.
Deixo aqui os meus pesâmes aos familiares, amigos e todos que de alguma forma possam estar envolvidos com esse triste acontecimento. E o desejo de que em breve, os esclarecimentos dos fatos possam servir de ensinamento para todos nós, aeronautas, aeroviários e usuários do transporte aéreo, afim de evitarmos mais tragédias.

Bruno Maciel - 22.04.11

Um avião da Amazonaves Taxi Aéreo com sete ocupantes caiu na região do aeroporto Eduardo Gomes, em Manaus, por volta das 16h (hora de Brasília) desta quinta-feira. Morreram no acidente Antônio Picão, dono da empresa, Luciana Picão, mulher de Antônio, Matheus Picão, filho do casal, Genilsa do Nascimento, funcionária da empresa, e outros três ocupantes, Kelly Sidonia, Valdeir Silva e Magno Souza.


O avião, que tinha como destino a cidade de Santarém (PA), caiu no momento da decolagem. Após o acidente, o aeroporto de Manaus chegou a ficar fechado.
A aeronave caiu nas proximidades da pista, e os destroços se espalharam para fora da área do aeroporto, atingindo uma importante via da zona oeste de Manaus, a avenida do Turismo.
O Corpo de Bombeiros informou que o avião não chegou a incendiar. As vítimas morreram com politraumatismos devido ao choque da aeronave com o solo. As causas do acidente são desconhecidas.

Técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos já estão no aeroporto e analisam os destroços da aeronave. As causas do acidente ainda não foram esclarecidas.

Os corpos das vítimas do acidente estão no IML (Instituto Médico Legal) da capital. Os médicos legistas estão tendo dificuldade para reconhecer as partes dos corpos. Por isso, não há previsão de enterro.

Há registros de pelo menos quatro outros acidentes com aeronaves da empresa Amazonaves nos últimos nove anos. O último ocorreu em 2007.

Um avião bimotor modelo Seneca II, prefixo PT-WIG, caiu no condomínio residencial Dilma Toledo, próximo ao Aeroclube do Amazonas, no bairro Flores, zona centro-sul de Manaus. A aeronave atingiu uma casa que estava em construção. No avião estavam apenas o piloto e um passageiro, que tiveram ferimentos graves. Na ocasião, o piloto, Leandro Costa, 25, informou que houve problemas mecânicos no motor depois da decolagem. Ele tentou retornar ao aeroclube, mas a aeronave acabou caindo no condomínio.

Em maio de 2002, houve um acidente com um Minuano (EMB-720 D) da empresa, prefixo PT-OFA, que fazia um vôo de experiência (vôo local), após serem realizadas uma inspeção geral (1.000 horas). O piloto saiu gravemente ferido.

O mais grave ocorreu em 2003, quando um outro Minuano (EMB-720 D), prefixo PT-VCB, sofreu um acidente quando decolou de Tefé (a 523 quilômetros a oeste de Manaus) para São Gabriel da Cachoeira (a 852 quilômetros a noroeste de Manaus), levando o piloto e um passageiro. A aeronave foi localizada cerca de três meses depois submersa em um lago próximo à comunidade indígena de Maguari. Encontrava-se de dorso com a bequilha quebrada, apresentando danos estruturais leves. Os dois ocupantes morreram no acidente.

Abaixo seguem os dados da aeronave:

MATRÍCULA: PT-EFS

Fabricante: EMBRAER

Modelo: EMB-810C

Número de Série: 810055

Tipo ICAO : PA34

Tipo de Habilitação para Pilotos: MLTE

Classe da Aeronave: POUSO CONVECIONAL 2 MOTORES CONVENCIONAIS

Peso Máximo de Decolagem: 2073 - Kg

Número Máximo de Passageiros: 005

Categoria de Registro: PRIVADA SERVICO AEREO PRIVADOS

Número dos Certificados (CM - CA): 8966

Situação no RAB:

Data da Compra/Transferência: 260707

Data de Validade do CA: 27/10/15

Data de Validade da IAM: 031111

Situação de Aeronavegabilidade: Normal


Fontes:

Portal Terra

D24AM

R7

Portal G1

Anac